Passar para o Conteúdo Principal
Voltar ao início

Projeto AMAReMAR propõe reflexão sobre discriminação

Eu tu e agora 1 1024 2500
25 Junho 2018

O projeto AMAReMAR promove, no dia 1 de julho, o espetáculo de Teatro-Fórum intitulado “Tu e Eu, e agora?” Esta criação coletiva, sob orientação da formadora Susana Madeira e com o Grupo de Teatro Comunitário de Esposende (Triumph'arte) será encenada, às 22 horas, na Praça do Município.

Promovido pelo Município de Esposende para fomentar a inclusão social, cultural e potenciar o crescimento pessoal dos cidadãos, o Triumph'arte aborda, neste espetáculo, a adolescência e as grandes mudanças associadas a essa fase da vida.
“O nosso corpo muda, sobre mil transformações, os sentimentos estão sempre em permanente turbilhão. E é tal a avalanche de emoções, que nos faz questionar: o que é isto que estou a sentir? Está certo? A sexualidade é simplesmente uma parte natural de quem somos, ou podemos escolhê-la? Devemos sentir vergonha e esconder a nossa sexualidade ou vivê-la de forma livre e orgulhosa? Devemos ouvir e seguir o que a família, amigos e sociedade defendem ou sermos fiéis ao que sentimos? Estamos a crescer e a descobrir novos sentimentos, e a confusão invade-nos”, lê-se na sinopse da peça.
Este é o terceiro espetáculo do Grupo de Teatro Comunitário de Esposende, Triumph'arte, que nasceu em 2015, no âmbito do Projeto AMAReMAR e, através da ação cultural, aprofunda a discussão em torno de assuntos importantes para a comunidade. “Tu e Eu, e agora?” convida à discussão e reflexão sobre o tema da discriminação face à orientação sexual de cada indivíduo.
Este é um espetáculo de Teatro-fórum, uma das técnicas teatrais da Metodologia do Teatro do Oprimido, de Augusto Boal. Entre maio e junho deste ano, com ensaios bissemanais, foi possível a construção de um resultado que convoca ao diálogo, à participação ativa e ao ensaio de soluções possíveis para este tema que muitas vezes é camuflado e entendido como um tabu.

O projeto AMAReMAR procura potenciar o envolvimento da comunidade em todas as fases do projeto, nomeadamente através da exploração e (re)descoberta da cultura local, da história das gentes, da transformação social.