Passar para o Conteúdo Principal
Voltar ao início

Arquitetura Modernista de Esposende é espólio invejável

Tert lia 2 1 1024 2500
08 Dez

tertúlia 1

O importante património arquitetónico de Esposende deve funcionar como propulsor do Turismo Cultural, atraindo visitantes que contribuirão para o crescimento económico do concelho, mas captando, também, novas obras de arquitetos de renome.
Esta foi uma ideia consensual, na tertúlia promovida no Museu Municipal, tendo como tema “Património e Cultura(s)” e que foi complementada com a apresentação do catálogo da exposição “Arquiteturas do Concelho, Esposende entre o Atlântico e as suas terras”, do arquiteto António Menéres. Com moderação do presidente da Câmara Municipal de Esposende, Benjamim Pereira, João Carlos Santos, subdiretor geral da Direção Geral do Património Cultural (DGPC), João Paulo Rapagão, professor da Universidade Lusíada, Paulo Guerreiro, responsável pela Casa das Marinhas e António Menéres, convergiram no reconhecimento da “excelência” do património existente em Esposende, capaz de atrair visitantes e projetar o concelho a nível mundial.
O Roteiro da Arquitetura Modernista, propõe uma viagem por 18 exemplares arquitetónicos do concelho de Esposende, localizados em Marinhas, Esposende e Ofir, construídos entre os anos 40 e 70 do século XX, da autoria de dois engenheiros e doze arquitetos. Este pode ser, no entender dos quatro arquitetos participantes na tertúlia, o mote para “narrativas” sobre o território.
“As políticas de conservação do património, por vezes, servem para congelar. O património só tem importância se tiver utilidade”, defendeu João Paulo Rapagão, numa ideia corroborada por João Carlos Santos que defende um “património vivido”. Essa ideia perpassa a exposição de António Menéres que, numa exposição com 40 fotografias sobre Esposende, captadas no “Inquérito à Arquitetura Regional Portuguesa”, entre 1956 a 1960, retrata a arquitetura de então, mas associa as pessoas, os usos, a religião e as tradições.
Paulo Guerreiro entende que a Casa das Marinhas pode assumir-se como “epicentro do modernismo a Norte”, convergindo para a visibilidade de todo o património de Esposende. De resto, António Meneres inclui a Casa das Marinhas, “entre as dez obras mais significantes da arquitetura portuguesa”.
O presidente da Câmara Municipal de Esposende questionou os participantes, sobre a futura adaptação do Forte S. João Batista em espaço museológico, acolhendo os vestígios do navio quinhentista descoberto em Belinho. “Há todo o interesse e vontade em colaborar com a Câmara, para que o espólio seja exposto aqui”, avançou João Carlos Santos, diretor da DGPC, visivelmente agradado com o facto de um edifício do Estado que estava abandonado, tenha agora uma finalidade concreta.